Latest Entries »



“Curiosidades científicas do mês.”

Ciência:
Todas

Nível: básico


Mais Algumas Curiosidades científicas bem interessantes:

  • A distância entre a Terra e o Sol é de 149.600.000 Km.
  • A ovelha Dolly tem este nome porque ela foi criada a partir de uma célula da glândula
    mamaria da mãe, e em homenagem aos grandes seios de Dolly Parton.
  • A velocidade de uma bola de tênis lançada por um jogador pode chegar a mais de 200km/h.
  • Acontecem 1 milhão de tremores de terra a cada ano.
  • Carlos Magno, o maior soberano da Europa Medieval, só aprendeu a ler aos 32 anos
    de idade.
  • Cerca de 14 milhões de pessoas de diferentes partes do mundo fazem aniversário no
    mesmo dia.
  • Do século XIX até hoje, houve sete epidemias em escala mundial (pandemia) de cólera.
    A última delas começou há 30 anos e chegou a América do Sul em 1991, espalhando-se
    a partir do Peru.
  • Entre as 28 mil vítimas da erupção vulcânica da montanha Pelée, na Martinica, em
    1902, apenas um sobreviveu porque ele teve a sorte de ser preso na véspera. Fechado
    na cela mal ventilada, ficou ao abrigo dos gases asfixiantes.
  • O “J”, é a única letra que não aparece na tabela periódica dos elementos.
  • O Sol libera mais energia em um segundo do que tudo que a humanidade já consumiu
    em toda sua existência.
  • O forno de microondas surgiu quando um pesquisador que estudava as microondas percebeu
    que elas haviam derretido o chocolate que estava em seu bolso.
  • Piracema é o fenômeno de subida dos peixes até as cabeceiras dos rios.
  • Relâmpagos matam mais do que vulcões, furacões e terremotos.
  • Se a temperatura dos continentes aumentar 1oC, a temperatura nos pólos aumentaria
    10oC.
  • Se as doenças do coração, o câncer e o diabetes fossem erradicados, a expectativa
    de vida do homem seria 99,2 anos.
  • Uma gota de óleo torna 25 litros de água imprópria para o consumo.
  • A monumental “História Natural” do escritor latim Plínio o Velho (I século d.C.),
    expõe de forma enciclopédica o saber dos tempos antigos, recolhidos por ele consultando
    mais de duas mil obras de autores diferentes. Plínio cita todos no primeiro dos
    37 livros dos quais a obra é composta. Nela, além dos quatro livros de assunto zoológico,
    há uma ampla seção dedicada aos remédios obtidos dos animais, para cujo tema são
    dedicados 5 livros.
  • A palavra “átomo” é de origem grega e deriva do verbo “témnein = cortar”, com o
    prefixo negativo “a-“; significando portanto “indivisível”. O termo foi usado pela
    primeira vez pelo sumo filósofo grego Demócrites (cerca de 460-370 a.C.), para indicar
    as partículas indivisíveis em que, segundo ele, era formada a matéria. Sendo que
    não havia como demonstrar cientificamente, com provas, esta sua teoria atomística,
    foi considerada uma simples especulação filosófica. Tiveram que passar mais de dois
    mil anos, antes que a teoria fosse confirmada pela ciência; o átomo é realmente
    um componente elementar da matéria, apesar que nos dias de hoje os cientistas tenham
    descoberto que o átomo é constituído, por sua vez, de partículas ainda menores.
  • O “Amok” é uma doença mental que pega os habitantes de sexo masculino de algumas
    regiões da Ásia sul-oriental, em particular a Malásia. Quem adoece, começa caindo
    num profundo estado de depressão, seguido logo por uma incontrolável fúria homicida,
    no curso da qual o doente sai correndo, gritando e golpeando (e matando), qualquer
    um que lhe passa por perto. Passada a crise, ele não se lembra de nada. Uma forma
    análoga da doença, chamada “pibloktoq”, é presente também entre os Esquimós.

 

Fontes:

http://curiosidadesonline.wordpress.com/2009/02/10/curiosidades-cientificas/

http://curiosidadesonline.wordpress.com/2009/02/10/mais-algumas-curiosidades-cientificas/


“Dores no frio.”

Ciência: Biologia
Nível: básico

Por que, quando está frio, sentimos algumas dores no corpo, principalmente se já tivemos uma fratura? Essa pergunta me foi feita no começo da semana, e heis aqui a resposta.

Quando a temperatura cai, quem tem dores crônicas costuma relatar que a intensidade aumenta. O fato é que, no frio, as terminações nervosas tornam-se bem mais sensíveis. “Quem sofre de dores nevrálgicas, aquelas associadas a lesões nos nervos periféricos, deve evitar a exposição às baixas temperaturas”, exemplifica a fisioterapeuta Fabíola Andrade, do Instituto Patrícia Lacombe, com sede em Campinas – São Paulo

Até quem não tem problemas de saúde, pode apresentar dores no inverno. “Ficar encolhido, na tentativa de fugir do frio, gera tensão muscular, contraturas e conseqüente mal-estar”, explica. A curiosidade fica por conta das pessoas mais magras reclamarem mais desse tipo de dor. A gordura corporal funciona como um isolante térmico, uma espécie de ‘casaco natural’. Assim, o indivíduo que se encontra dentro ou abaixo do peso ideal sente mais o frio e seus efeitos.

Entre as alterações relacionadas ao aumento das dores na temporada está a constrição vascular, que é o estreitamento dos vasos sanguíneos. “Quem tem problemas circulatórios pode se queixar de incômodo nas pernas, por exemplo”, afirma a fisioterapeuta

O antídoto para a maior parte das queixas está no alinhamento postural, que ajuda a prevenir as dores, fazendo com que os músculos possam funcionar de forma adequada, prevenindo assim o excesso de tensão no corpo. “Além disso, é importante o uso de roupas adequadas à temperatura e, a prática de atividade física regular”, completa Fabíola

 

Fontes:

http://blog.newsfree.com.br/2008/07/12/dores-de-frio/

Texto retirado na íntegra

Tome Nota!



“Depois de muito tempo, uma nova rodada de curiosidades científicas”

Ciência:
Todas

Nível: básico


– A velocidade da luz, geralmente arredondada em 300.000 km/s, é de exatamente 299.792,458km/s.

– São necessários 8 minutos e 17 segundos para a luz viajar da superfície do Sol à Terra.

– 10% de todos os humanos já nascidos, estão vivos neste momento.

– A Terra gira à 1.600 Km/h, mas viaja em sua órbita ao redor do Sol a mais de 107.000km/h.

– Todo ano, um milhão de terremotos sacodem a Terra.

– Quando Krakatoa entrou em erupção, em 1883, a força de sua explosão foi tão grande que pode ser escutada à mais de 7.700km de distância, na Austrália.

– A cada segundo, 100 raios atingem a superfície Terrestre

– Todo ano, 1000 pessoas morrem vítimas de raios.

– Em outubro de 1999, um iceberg do tamanho de Londres, soltou-se do continente Antártico.

– Se você conseguisse dirigir seu carro na vertical, direto para cima, levaria apenas uma hora para chegar ao espaço (algo em torno de 65km).


 

Fontes:

http://cybervida.com.br/50-fatos-cientificos-curiosos



“Um grande passo na direção da cura do câncer.”

Ciência:
Biologia

Nível: intermediário

Cura do câncer?

Ontem, dia 25 de março, cientistas da Universidade de Oxford conseguiram “domesticar” um virus para que ele ataque e destrua as células cancerígenas mas mantenham as as células saudáveis intactas.

Moléculas MicroRNA regulam a estabilidade de mRNA em diferentes tipos de células, e este recém-entendido mecanismo prevê a possibilidade de preparar um vírus para células específicas de inativação. Cientistas da Universidade de Oxford, Reino Unido, com o apoio de colegas na Vrije Universiteit Amsterdam, relatam que esta abordagem pode ser usada para regular a proliferação do adenovírus.

Adenovírus é um vírus DNA amplamente utilizados na terapia, mas que provoca doença hepática em ratos. O professor Len Seymour e seus colegas descobriram que a introdução de sites em genoma do vírus que são reconhecidos por MicroRNA 122 hepático leva a degradação do mRNA viral, diminuindo assim o vírus da “capacidade de prejudicar o fígado, embora mantendo a sua capacidade de matar células com tumor.

“Esta abordagem é surpreendentemente eficaz e muito versátil. Poderá encontrar uma vasta gama de aplicações no controle da atividade do vírus terapêutico, tanto para o câncer de investigação e também para uma nova geração de máquinas de vacinas”, diz o professor Seymour.

 

Fontes:

http://www.sciencedaily.com/releases/2009/05/090522081217.htm



“Um fóssil de 47 milhões de ano é considerada por muitos o elo perdido da cadeia evolutiva.”

Ciência:
Biologia

Nível: básico


Os humanos sempre quiseram saber de onde vieram. Qual a nossa conexão com os demais mamíferos? Macacos? Onde está a ligação, o elo? Desta pergunta vem o termo “o elo perdido”, que muitos acreditam ser esse fóssil, encontrado na África do Sul.

Os restos fósseis de “Ida”, um animal que viveu há 47 milhões de anos na Alemanha, foram apresentados nesta terça-feira em Nova York como um possível ancestral comum dos macacos e dos seres humanos.

Considerado o fóssil de primata mais completo já encontrado, o exemplar descoberto perto de Frankfurt foi apresentado à imprensa no Museu de História Natural de Nova York por um grupo de paleontólogos.

Os cientistas estão tão animados que é possível encontrar uma gama interessante de material na internet. Confiram esse vídeo, por exemplo: vídeo.


Essa mistura de características semelhantes às de humanos e macacos com outras semelhantes às dos lêmures atuais fizeram os cientistas chamarem Ida de um “macaco lêmure”. De acordo com os pesquisadores, 95% do corpo do animal está preservado, algo raro quando se trata de fósseis de primatas. E o estado do material é tão bom que é possível ver sua pele, pelos e até mesmo traços da última refeição. “É uma parte da nossa evolução que estava escondida, porque todos os outros exemplares estão incompletos ou quebrados”, afirmou Hurum. A famosa primata Lucy, cujo fóssil foi descoberto em 1974, na Etiópia, tinha apenas 40% do corpo preservado.

De acordo com a rede de televisão britânica BBC, que exibirá um documentário sobre a pesquisada comandada por John Hurum nesta quinta-feira, muitos cientistas respeitados dizem que a descoberta não tem tanta importância quanto dizem os cientistas que estudaram Ida. “É ótimo ter novas descobertas e elas serão bem estudadas, mas Ida não está no mesmo nível de descobertas recentes, como os dinossauros com penas”, disse Henry Gee, editor da revista Nature. Segundo ele, o termo “elo perdido” é enganoso.

A comunidade científica está excitada. Alguns acreditam cegamente que este é o elo perdido, outros debatem o assunto dizendo que é só mais uma descoberta que gera mais algumas perguntas sem resposta. Uma coisa é certa: é uma descoberta importantíssima para os estudos evolutivos, que começaram com Darwin, e é considerado por muitos uma “Rosetta Stone”, uma descoberta crucial que traz luz sobre um assunto escuro e desconhecido.

Chequem o site “oficial”: http://www.revealingthelink.com/. Ele contém um material vasto e bastante interessante para quem deseja saber mais sobre a IDA.

Gostaria de agradecer aos leitores pela fidelidade, por virem neste blog e lerem/comentarem à respeito das postagens, essa semana chegamos à incrível marca de 100 000 visualizações, que é um marco bastante importante em um blog de ciências como este. Obrigado a todos! Nós também temos nossos marcos lendários.

E aproveitando a deixa, gostaria de divulgar um site bastante útil que torna endereços da internet, como esses gigantescos listados nas fontes abaixo, menores, ele ‘encurta’ as urls. Dêem uma olhada no Snick me

 

Fontes:

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI73539-15224,00.html
http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5h9RfNt0-RYoI0W2BTJ2Ba0ApuM2w
http://www.guardian.co.uk/science/2009/may/19/fossil-ida-missing-link
http://www.guardian.co.uk/science/video/2009/may/19/ida-fossil-attenborough-missing-link
http://www.revealingthelink.com/

Keppe Motor



“O Keppe Motor continua dando o que falar. Vamos saber um pouco mais?”

Ciência:
Física

Nível: básico

Muito vem sendo falado nos últimos meses à respeito do motor sustentável conhecido como Keppe Motor. Alguns vídeos podem nos ajudar a compreender melhor seu funcionamento e sua finalidade, e aqui estão alguns deles.

Agora uma sessão dividida em 3 partes de uma reportagem sobre sustentabilidade:

Ainda há muito o que aprender sobre esse motor e veremos diversos artigos e blogs falando sobre ele nos próximos meses. Vamos esperar para ver!

 

Fontes:

http://keppemotorpt.wordpress.com/2009/01/21/video-keppe-motor-de-60-w-com-painel-solar-de-20-v/
http://www.youtube.com/watch?v=W0TU8688d8g&eurl=http%3A%2F%2Fblogs.abril.com.br%2Fartur%2F2009%2F05%2Fkeppe-motor-12.html&feature=player_embedded
http://www.youtube.com/watch?v=5TdXvJWX1uU&eurl=http%3A%2F%2Fblogs.abril.com.br%2Fartur%2F2009%2F05%2Fkeppe-motor-12.html&feature=player_embedded
http://www.youtube.com/watch?v=-9zkb5mDxzg&eurl=http%3A%2F%2Fblogs.abril.com.br%2Fartur%2F2009%2F05%2Fkeppe-motor-12.html&feature=player_embedded
http://www.youtube.com/watch?v=sPZXxmePKa8&eurl=http%3A%2F%2Fblogs.abril.com.br%2Fartur%2F2009%2F05%2Fkeppe-motor-12.html&feature=player_embedded

Dolly



“Em 1997, a clonagem foi revolucioada.”

Ciência:
Biologia

Nível: intermediário

Em 1997, a clonagem foi revolucionada quando Ian Wilmut e seus colegas do Instituto
Roslin em Edinburgo, Escócia, clonaram com sucesso uma ovelha chamada Dolly. Dolly
foi o primeiro mamífero clonado.

Wilmut e seus colegas transplantaram um núcleo de uma célula de glândula mamária
de uma ovelha Finn Dorsett no ovo desnucleado de uma ovelha Blackface escocesa.
A combinação núcleo-ovo foi estimulada com eletricidade para fundi-los e estimular
a divisão celular. A nova célula se dividiu e foi colocada no útero de uma ovelha
Blackface para se desenvolver. Dolly nasceu meses depois.

Dolly provou ser geneticamente idêntica às células mamárias Finn Dorsett e não à
ovelha Blackface, o que demonstrou claramente que era um clone bem-sucedido (foram
feitas 276 tentativas antes de dar certo o experimento). Dolly depois disso cresceu
e reproduziu várias proles próprias através de meios sexuados normais. Portanto,
a Dolly é um clone viável e saudável.

Desde a Dolly, diversos laboratórios universitários e empresas empregaram várias
modificações da técnica de transferência nuclear para produzir mamíferos clonados,
inclusive vacas, porcos, macacos, camundongos e Noé.

Por que clonar?

A principal razão de clonar plantas ou animais é produzir em massa organismos com
as qualidades desejadas, como uma premiada orquídea ou um animal fruto de engenharia
genética. As ovelhas, por exemplo, foram alteradas geneticamente para produzir insulina
humana. Se tivéssemos de recorrer apenas à reprodução sexuada (cruzamento) para
produzir em massa esses animais, correríamos o risco de atenuar as características
desejadas porque a reprodução sexuada reembaralha o baralho genético.

Outras razões para a clonagem podem incluir a substituição de animais de estimação
perdidos ou falecidos e repopular espécies ameaçadas ou até extintas. Independente
da razão, as novas tecnologias de clonagem geraram muitos debates éticos entre os
cientistas, políticos e público em geral. Vários governos já consideraram ou promulgaram
leis para diminuir, limitar ou banir completamente os experimentos com clonagem.
É claro que a clonagem fará parte das nossas vidas no futuro, mas os rumos dessa
tecnologia ainda não foram determinados.

 

Fontes:

http://ciencia.hsw.uol.com.br/clonagem.htm



“A epidemia que está se alastrando é perigosa, cuidado com a gripe suína pois ainda não há cura.”

Ciência:
Biologia

Nível: básico

Gripe suína

A gripe suína é uma doença contagiosa causada por um vírus, e devido à sua mutação ainda não existe cura. Ela pode ser transmitida pela tosse, espirro ou secreções respiratórias de pessoas contaminadas. Não há contaminação pelo consumo de carne suína, porque o calor usado para preparar o alimento mata o vírus.

Países como os Estados Unidos e o México foram fortemente afetados pelo vírus na últuma semana e a epidemia têm se alastrado. Ainda não foram registrados casos no Brasil, mas não custa se prevenir.

É difícil diagnosticar a gripe pois ela apresenta os mesmos sintomas de uma gripe comum: febre, dores musculares, dor de cabeça e tosse. Parte das pessoas que foram contamindas com o vírus no México tiveram diarréia, isso não é muito comum na gripe.

“Coincidentemente, está se iniciando nesta semana uma campanha nacional de vacinação que não vai proteger contra esse tipo de gripe suína, mas isso não é o mais importante neste momento. Essa vacina vai proteger contra várias outras formas de gripe de vírus que estão circulando pelo mundo e que têm mais chances de acontecer agora. As pessoas, portanto, devem continuar o seu planejamento de vacinação”, aconselha o infectologista.

Segundo Jessé Reis Alves, assessor médico do serviço de Vacinação e da Consulta do Viajante do Fleury, viajantes que acabam de retornar dos países em que foram registrados casos da gripe suína devem ficar atentos à sua saúde. “Caso apresente febre e outros sintomas gripais, esse indivíduo deverá procurar imediatamente um serviço de saúde, relatando seus sintomas e a realização da viagem, caso esta tenha ocorrido nos últimos dez dias. Os profissionais de saúde estão sendo orientados a relatar todos os casos suspeitos e as devidas medidas de atendimento serão então desencadeadas. Somente o médico deverá prescrever medicações e orientar o tratamento adequado.”

Medidas de prevenção a quem se destina às áreas afetadas

  • Usar máscaras cirúrgicas descartáveis durante toda a permanência nas áreas afetadas. Substituir sempre que necessário
  • Ao tossir ou espirrar, cobrir o nariz e a boca com um lenço, preferencialmente descartável
  • Evitar locais com aglomeração de pessoas
  • Evitar o contato direto com pessoas doentes
  • Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal
  • Evitar tocar olhos, nariz ou boca
  • Lavar as mãos frequentemente com sabão e água, especialmente depois de tossir ou espirrar
  • Em caso de adoecimento, procurar assistência médica e informar história de contato com doentes e roteiro de viagens recentes a esses países
  • Não usar medicamentos sem orientação médica

 

Fontes:

http://www.fleury.com.br/Clientes/SaudeDia/Artigos/Pages/gripe_suina.aspx?gclid=CKqt0qjSopoCFRBhnAodGmIR9Q

http://www.gripe.org.br/?gclid=COX8o-HSopoCFRBhnAodGmIR9Q

Gelo seco



“Vamos criar um pouco de fumaça com gelo seco?”

Ciência:
Química

Nível: básico

O gelo-seco é dióxido de carbono congelado. A temperatura na superfície de um bloco
de gelo-seco é de -78,5º C. O gelo-seco também tem uma característica interessante
– a sublimação. À medida que o gelo-seco é aquecido, ele se transforma diretamente
em dióxido de carbono gasoso – e não em líquido. A temperatura extremamente gelada
e a característica da sublimação fazem do gelo-seco uma excelente opção para refrigeração.
Por exemplo, se você quiser atravessar de um Estado a outro do Brasil com um produto
congelado, você pode revesti-lo com gelo-seco. O produto estará congelado quando
chegar ao destino – e nada estará molhado, diferentemente do que aconteceria se
fosse usado gelo normal.

Muitas pessoas já estão familiarizadas com o nitrogênio líquido, que ferve a -196º
C. O nitrogênio líquido é bastante desordenado e difícil de ser manuseado. Então,
por que o nitrogênio é líquido, e o dióxido de carbono é sólido? Essa diferença
é causada pelas características dos estados físicos (sólido, líquido e gasoso) do
nitrogênio e do dióxido de carbono.

Todos nós estamos familiarizados com o comportamento dos estados físicos da água.
Sabemos que ao nível do mar, a água congela a 0º C e ferve a 100º C. Contudo, a
água se comporta de forma diferente se você alterar a pressão. À medida que a pressão
é reduzida, o ponto de ebulição cai. Se você baixar a pressão o suficiente, a água
irá ferver em temperatura ambiente. Se em um gráfico você desenhar o comportamento
dos estados físicos (sólido, líquido e gasoso) de uma substância como a água em
um gráfico mostrando tanto a temperatura quanto a pressão, você irá criar o que
se conhece como diagrama de fase da substância. Ele mostra as temperaturas e pressões
nas quais a substância muda de estado entre sólido, líquido e gasoso.

diagrama de fase de substância

A pressões normais, o dióxido de carbono muda diretamente de gás para sólido. É
apenas a pressões muito mais elevadas que se encontra dióxido de carbono líquido.
Por exemplo, tanques de alta pressão ou extintores de incêndio com esse composto
contêm dióxido de carbono líquido.

Para produzir gelo-seco é preciso começar com um recipiente de alta pressão cheio
de dióxido de carbono líquido. Quando se libera o dióxido de carbono líquido do
tanque, a expansão do líquido e a alta velocidade de evaporação do dióxido de carbono
gasoso esfriam o restante do líquido ao ponto de congelamento, no qual ele se transforma
diretamente em sólido. Se alguma vez você já viu um extintor de incêndio de dióxido
de carbono em ação, viu uma espécie de “neve” de dióxido de carbono se formar no
bocal. Essa “neve” é comprimida a fim de gerar o bloco de gelo-seco.

 

Fontes:

http://ciencia.hsw.uol.com.br/questao264.htm
http://www.felipeb.com/cimat/dfs/dfs.htm

Texto retirado na íntegra.

Código morse



“Comemorando o aniversário de Samuel Morse, vamos falar do código Morse.”

Ciência:
História/Matemática

Nível: básico

O código morse é um sistema de representação de letras, números e sinais de pontuação
através de um sinal codificado enviado intermitentemente. Foi desenvolvido por Samuel
Morse e Alfred Vail em 1835, criadores do telégrafo elétrico (importante meio de
comunicação a distância), dispositivo que utiliza correntes elétricas para controlar
eletroímãs que funcionam para emissão ou recepção de sinais.

Este sistema representa letras, números e sinais de pontuação apenas com uma seqüência
de pontos, traços, e espaços. Portanto, com o desenvolvimento de tecnologias de
comunicação mais avançadas, o uso do código morse é agora um pouco obsoleto, embora
ainda seja empregado em algumas finalidades específicas, incluindo rádio faróis,
e por CW (continous wave-ondas contínuas), operadores de radioamadorismo. Código
morse é o único modo de modulação feito para ser facilmente compreendido por humanos
sem ajuda de um computador, tornando-o apropriado para mandar dados digitais em
canais de voz. Código morse pode ser transmitida de muitas maneiras: originalmente
como pulso elétrico através de uma rede telegráfica, mas também como tom de áudio,
como um sinal de rádio com pulsos ou tons curtos e longos, ou como sinal mecânico
ou visual (ex: sinal de luz) usando ferramentas como lâmpadas de Aldis e heliógrafos.
Porque o código morse é transmitido usando apenas dois estados – ligado e desligado
– é uma estranha forma de código digital

o comprimento variável de caracteres do código morse dificulta a adaptação à comunicação
automatizada, então foi amplamente substituída por mais formatos regulares, incluindo
o Código Baudot e ASCII. O que se é chamado hoje de código morse difere em parte
do que foi originalmente desenvolvido por Morse e seu assistente, Alfred Vail. Em
1948 uma distinção das seqüências do código, incluindo mudanças a onze das letras,
foi feita na Alemanha e eventualmente adotada como o padrão mundial como Morse Internacional.
A especificação original do código de Morse, muito limitada para o uso nos Estados
Unidos, tornou-se conhecida como Railroad ou Código morse Americano, e atualmente
é muito raro o seu uso.

O caracteres

Letras

Letra Código
Internacional
Letra Código
Internacional
A .- N -.
B -... O ---
C -.-. P .--.
D -.. Q --.-
E . R .-.
F ..-. S ...
G --. T -
H .... U ..-
I .. V ...-
J .--- W .--
K -.- X -..-
L .-.. Y -.--
M -- Z --..

Números

Código internacional
0 -----
1 ·----
2 ··---
3 ···--
4 ····-
5 ·····
6 -····
7 --···
8 ---··
9 ----·


Pontuações comuns

Código internacional
Ponto [.] ·-·-·-
Vírgula [,] --··--
Interrogação [?] ··--··
Apóstrofo [‘] ·----·
Exclamação [!] -·-·--
Barra [/] -··-·
Parênteses [(] -·--·
Parênteses [)] -·--·-
E comercial [&] · ···
Dois pontos [:] ---···
Ponto e vírgula [;] -·-·-·
Igual [=] -···-
Hífen [-] -····-
Linha baixa [_] ··--·-
Aspas [“] ·-··-·
Cifrão [$] ···-··-
Arroba [@] ·--·-·

O “@”(arroba), foi adicionado em 2004, e combina
A e C em um caracter.

A “!”(exclamação), não é oficialmente reconhecido em nenhum lugar. A junção de K
e W -·-·-- foi proposto no ano de
1980
, pela Heathkit Company (um vendedor de conjuntos de equipamentos de
radio-amadorismo). Enquanto o programa de computador tradutor de código morse
prefere essa versão, o uso “em-ar” não é ainda universal como alguns operadores
de rádio canadenses e nos Estados
Unidos continuam prefereindo a antiga junção de M e N ---·.


Sinais especiais

Sinais especiais são pontos/traços seqüenciados que têm um significado especial.
Eles podem freqüentemente ser visto como se fossem compostos por um, dois ou três
caracteres alfabético do código morse. Quando compostos nesse sentido de mais que
um caracter, eles são enviados juntos; isso é, omitindo as pausas normais que estariam
entre elas se fossem enviadas como letras de um texto. Essas ligações são normalmente
representadas impresso por letras com uma barra acima delas

Sinais especiais
Sinal Código Significado Comentário
\overline{\mbox{AR}} ·-·-· Parar (fim da mensagem) Freqüentemente escrito como +
\overline{\mbox{AS}} ·-··· Espere (por 10 segundos) Responde com C (sim). AS2 significa espere 2 minutos, AS5 5 minutos, etc. Para pausas
de 10 minutos ou mais, use QRX (veja código Q)
\overline{\mbox{BT}} -···- Separador dentro da mensagem Freqüentemente escrito como =. Na prática, indistingüível para
\overline{\mbox{TV}},
e algumas vezes escrito assim
\overline{\mbox{CL}} -·-··-·· Saindo do ar “Livre”
\overline{\mbox{DO}} -··--- Troque por código wabun
\overline{\mbox{K}} -·- Convite geral para transmitir Freqüentemente enviado após CQ
\overline{\mbox{KN}} -·--· Convite específico para transmitir Freqüentemente indica “de volta para você”
\overline{\mbox{R}} ·-· Recebido e entendido “Roger”
\overline{\mbox{SK}} ···-·- Fim (fim do contato) Na prática, indistinguível de
\overline{\mbox{VA}},
e algumas vezes escrito assim
\overline{\mbox{SOS}} ···---··· Mensagem de sério perigo e pedido por ajuda urgente. Não usada ao menos em iminência de perigo para a vida ou para embarcações no mar.
Veja SOS

Embora esses não seja realmente símbolos especiais, um erro pode ser indicado por
uma série de
\overline{\mbox{E}}s:

······· Erro, corrigir seguintes palavras (seis ou mais pontos em seqüencia)
· · · Erro (facilmente identificada por ritmo “quebrado”)


Outros caracteres

ä ·-·- (também æ)
à ·--·- (também å)
ç -·-·· (também c)
ch ----
ð ··--·
è ·-··-
é ··-··
g --·-·
h -·--·
j ·---·
ñ --·--
ö ---· (também ø)
s ···-·
þ ·--··
ü ··-- (também u)

 

Fontes:

http://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%B3digo_Morse

Trechos retirados na íntegra do site fonte.