“O eclipse mais longo do século”

Ciência:
Astronomia

Nível: Básico


O eclipse solar total mais longo do século 21 ocorre na próxima quarta-feira (22), e mergulhará em completa escuridão a China e a Índia, os dois países mais povoados do planeta –onde contos e mitologias evocam o fenômeno.


O astrofísico americano Fred Espenak definiu este eclipse do Sol como um fenômeno gigante, que poderá ser observado por nada mais nada menos que 2 bilhões de pessoas, um recorde na história da humanidade.


A partir das 06h23 na Índia (21h55 de terça-feira no horário de Brasília), a noite voltará a cair um pouco depois do amanhecer no estado de Gujarat (oeste).

Depois, a escuridão se irradiará por um corredor de 15 mil km de extensão e 200 km de largura, atravessando a Índia, o Nepal, o Butão, Bangladesh, Mianmar e China, e alcançando também as ilhas meridionais japonesas de Ryukyu.

“Será o eclipse mais longo do século. Nenhum de nós viverá o suficiente para ver outro igual”, afirmou Federico Borgmeyer, diretor da agência de viagens alemã Eclipse City.


O Sol ficará completamente bloqueado pela Lua durante seis minutos e 39 segundos em uma zona pouco habitada do Pacífico, um recorde de duração para um eclipse que só será quebrado em 2132.

A escuridão, no entanto, durará menos na Índia (entre três e quatro minutos) e em Xangai (cerca de cinco minutos).

O sexto eclipse total do século tomou conta da atividade comercial e turística no Extremo Oriente, a região geográfica ideal para aproveitar este fenômeno astronômico.

O Parque das Esculturas de Xangai, o melhor lugar de observação da cidade, anunciou que vendeu 2.000 entradas para 22 de julho, com óculos especiais incluídos e camisetas comemorativas. Os hotéis estão lotados.


Na Índia, a agência Cox and Kings fretou um Boeing 737-700 que decolará de Nova Déli antes do amanhecer, “interceptará” o eclipse total a uma altitude de 41 mil pés (12,5 mil metros) e voará para o leste, até o Estado de Bihar.

Os 21 lugares do avião do lado do Sol foram vendidos por 1.200 euros (US$ 1.700 dólares).

Enquanto isso, na cidade santa de Kurukshetra, norte da Índia, espera-se a chegada de um milhão e meio de de peregrinos para se banharem durante o eclipse.

Na Índia e na China, os contos e mitologias evocam nos eclipses o anúncio de boas fortunas, mas também de maus presságios.

O eclipse dessa quarta é “um momento muito perigoso no Universo”, adverte Raj Kumar Sharma, um astrólogo de Mumbai. “Se o Sol, o senhor das estrelas, está doente, então acontecerá algo de grave no mundo”, prevê.

Astrônomos e meteorologistas temem principalmente que as nuvens desta época de chuvas de monção no subcontinente indiano arruínem o espetáculo.

Se o tempo estiver bom, assim que o disco solar estiver coberto, o resplender da coroa solar será visível. Será possível observar protuberâncias ou jatos de gás incandescentes –projetados a milhares de quilômetros do Sol.

Mas, se o céu estiver encoberto, a queda das temperaturas e a repentina escuridão serão as únicas manifestações tangíveis do esperado eclipse.

 

Fontes:

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u597536.shtml
Texto retirado da fonte na íntegra