“Aproveitando a época natalina, que tal sabermos de onde vem essa história de Papai
Noel?”

Ciência:
História

Nível: básico

Existe um mito difundido na internet que diz que foi a Coca-cola que fez o Papai
Noel se vestir de vermelho. Será que é verdade? Alguém já ouviu falar que o bom
velhinho não vive no Pólo Norte, mas sim na Lapônia?

Diversos mitos são espalhados todos os dias mas pouca gente sabe como tudo começou,
a origem do senhor de longas barbas brancas, barrigudo, que passa a noite de natal
distribuindo presentes pelas chaminés. Nada como um pouco de História para solucionarmos
o caso!

O Papai Noel foi inspirado em São Nicolau Taumaturgo, arcebispo de Mira no século
IV, que costumava ajudar quem estava com dificuldades financeiras deixando moedas
de ouro nas chaminés de suas casas. Sua transformação no símbolo de Natal aconteceu
primeiramente na Alemanha e cruzou os mares, ganhando proporções mundiais.

Alguns estudiosos dizem que as pessoas tinham o costume de limpar as chaminés de
suas casas para deixar entrar, e foi nisso que se basearam para criarem a lenda
do Papai Noel. Foi Clement Clark Moore um dos principais responsáveis pela divulgação
da lenda natalina, quando criou o poema “Uma Visita de São Nicolau”, dando
vida à história das chaminés e criando a lenda do trenó com as renas.

O verdadeiro responsável pela roupa vermelha foi o cartunista americano Thomas Nast, que publicou seu desenho em 1886 na revista Harper’s Weeklys.

Outra lenda curiosa e citada anteriormente é a da Lapônia:

Nos países do norte da Europa, diz a tradição que o Papai Noel não vive propriamente no Pólo Norte, mas sim na Lapônia, mais propriamente na cidade de Rovaniemi, onde de fato existe o “escritório do Papai Noel” bem como o parque conhecido como “Santa Park”, que se tornou uma atração turística do local. Criou-se inclusive um endereço oficial como a residência do Papai Noel, a saber:

Santa Claus – FIN-96930 Arctic Circle –
Rovaniemi – Finlândia
http://www.santaclausoffice.fi

Em função disso, a região de Penedo, distrito de Itatiaia, no Rio de Janeiro, que é uma colônia finlandesa, se auto-declarou como a “residência de verão” do Papai Noel.

Para quem ficou curioso, segue o poema que iniciou a difusão da lenda de Papai Noel como símbolo do natal.

“Uma Visita de São Nicolau “

(Clement Clarke Moore)

 

‘Era a noite antes de Natal, quando durante toda a casa
Não uma criatura estava mexendo, nem mesmo um rato;
As meia foram penduradas pela chaminé com cuidado,
Em espera que são Nicolau estaria lá logo;
As crianças foram se conchegadas todas justas nas camas delas,
Enquanto visões de sugar-plums dançaram nas cabeças delas;
E mama no ‘kerchief dela, e eu em meu boné,
Tinha se conformado há pouco nossos cérebros com o cochilo de um inverno longo,
Quando fora no gramado lá surgiu tal um ruído,
Eu pulei da cama para ver o que era a questão.
Fora para a janela eu voei como um flash,
Rasgado aberto os veneziana e jogou para cima a faixa.
A lua no peito da neve novo-caída
Dado o lustre de meio-dia a objetos abaixo,
Quando, o que para meus olhos desejando saber deveria se aparecer,
Mas um trenó de miniatura, e oito rena minúscula,
Com motorista um pequeno velho, tão vivamente e rapidamente,
Eu soube em um momento deve ser o São Nicolau

Mais rápido que águias o curso dele que eles vieram,
E ele assobiou, e gritou, e os chamou através de nome;
“Agora, Dasher! agora, Dançer! agora, Prancer e Vixen!
Em, Comet! em, Cupid! em, Donder e Blitzen!
Para o topo da varanda! para o topo da parede!
Agora saia apressado! saia apressado! saia apressado tudo!”
Como folhas secas que antes da mosca de furacão selvagem,
Quando eles se encontrarem com um obstáculo, monte para o céu;
Assim até o casa-topo o curso que eles voaram,
Com o trenó cheio de Brinquedos, e o São Nicolau também.
E então, um centelhando, eu ouvi no telhado
O se empinando e manuseando de cada pequeno coiceie.
Como eu atraí minha cabeça, e estava se virando,
Abaixo da chaminé São Nicolau veio com um salto.
Ele foi vestido tudo em pele, da cabeça aos pés,
E as roupas dele eram tudo manchados com cinzas e fuligem;
Um pacote de Brinquedos que ele tinha arremessado na parte de trás dele,
E ele se parecia um pedler há pouco abertura o pacote dele.
Como olhos dele centelharam! as covinhas dele com alegria!
As bochechas dele estavam como rosas, o nariz dele como uma cereja!
A pequena boca divertida dele era tirada para cima como um arco
E a barba do queixo dele era tão branca quanto a neve;
O toco de um tubo que ele segurou apertado nos dentes dele,
E a fumaça cercou a cabeça dele como uma grinalda;
Ele teve uma face larga e um pequeno redonda barriga,
Isso tremeu quando ele riu, como um baciada de geléia.
Ele era roliço e engorda, um direito duende velho alegre,
E eu ri quando eu o, apesar de mim, vi;
Um piscada do olho dele e uma torção da cabeça dele,
Logo me deu saber que eu não tive nada a medo;
Ele não falou uma palavra, mas foi diretamente para o trabalho dele,
E encheu todas as meia-calças; então virado com um puxão,
E colocando o dedo dele do nariz dele de lado,
E dando um aceno, para cima a chaminé subiu ele;
Ele pulou ao trenó dele, ao time dele deu um apito,
E fora todos eles voaram como o desça de um cardo,
Mas eu o ouvi exclamar, antes que ele dirigiu longe da vista,
“O Natal feliz para todos, e para todos uma bom noite.”


Papai Noel

 

Fontes:


http://bardd.co.uk/blog/?p=336


http://pt.wikipedia.org/wiki/Papai_Noel