Sabe aquelas tecnologias que só vemos em files de ficção? Algumas existem!”

Ciência:
Química
Nível:
intermediário


imagem retirada do howstufffworks
Existe um princípio de que nada desaparece sem deixar um rastro. Isso é bem real quando estamos falando de Química, de pequenas partículas deixadas em uma cena de crime, por exemplo, pois mesmo coisas que não podem ser vistas a olho nu estão ali, deixadas sem que as pessoas se dessem conta.

Baseado nesse conceito, o luminol revela substâncias através de reações químicas geradoras de luz. Ele atua entre diversos produtos químicos e hemoglobina. Hemoglobina?

Hemoglobina é uma  proteína presente nos eritrócitos (hemácias), constituindo aproximadamente 35% de seu peso. É um pigmento presente no  sangue responsável por transportar o oxigênio, levando-o dos pulmões aos tecidos de todo o corpo.

A reação quebra as moléculas e os átomos se rearranjam, formando novas moléculas e liberando energia na forma de fótons de luz visível, o mesmo processo que ocorre dentro dos vagalumes, a bioluminescência. (Para saber mais sobre esse processo nos vagalumes, clique aqui e também aqui).

“O produto químico principal nesta reação é o luminol (C8H7O3N3), composto em pó feito de nitrogênio, hidrogênio, oxigênio e carbono. Os criminalistas misturam o pó de luminol com um líquido contendo peróxido de hidrogênio (H2O2), um hidróxido (OH-) e outros produtos químicos e despejam o liquido em um borrifador. O peróxido de hidrogênio e o luminol são os principais agentes da reação química, mas para que produzam um brilho forte, precisam de um catalisador para acelerar o processo. A mistura detecta a presença desse catalisador, no caso o ferro contido na hemoglobina. “

O luminol pode ser de grande ajuda em uma investigação policial, mas deve ser utilizado com cautela: os produtos químicos podem destruir evidências importantes, acabando assim por atrapalhar ao invés de ajudar a solucionar o caso.

Fontes:

http://science.howstuffworks.com/luminol.htm
http://www.todabiologia.com/anatomia/hemoglobina.htm